6

7O6T vs. Israel: Radioamadorismo & Política

Um grupo de radioamadores israelenses fez um protesto na Internet contra a aprovação para crédito no DXCC da Dxpedição ao Yemen 7O6T. Segundo os radioamadores israelenses, os operadores da 7O6T se recusam a fazer contatos com estações com prefixo 4Z e 4X. O grupo informa que Israel não tem lista de países banidos, portanto o ato de ops operadores da 7O6T de se recusarem a fazer contato com eles representaria,no mínimo, uma violação dos princípios e do espírito do programa DXCC.

Os operadores da 7O6T tem o apoio oficial do Governo do Yemen através dos Ministérios do Interior, da Informação, do Rádio, das Telecomunicações e da Tecnologia da Informação – aparentemente eles tem mais Ministérios que nós brasileiros (sic). Apesar do time não admitir oficialmente, há uma grande possibilidade que a licença de operação tenha sido concedida mediante alguma condição, como por exemplo não realizar nenhum contato com Israel. Fato é que até o momento não há um único QSO com estações israelenses entre os quase 138 mil QSOs realizados nos 14 dias de operação.

Não há confirmação de que os protestos israelenses tenham sido oficialmente encaminhados para o ARRL DXCC Desk ou se ficaram apenas no mundo online. De qualquer modo, toda discussão foi repentinamente interrompida em 5 de maio, quando o Award Branch Manager da ARRL, Bill Moore, NC1L, divulgou uma nota oficialmente aprovando a operação no Yemen que acabara de entrar no ar com o indicativo 7O6T para crédito no programa DXCC.

O princípio do radioamadorismo é estar acima de diferenças raciais, religiosas e política. Porém, nosso hobby depende fortemente da colaboração e parceria de governos locais para obter licença de operação. Isso deixa uma questão no ar: O DXCC deveria aprovar uma operação que fere diretamente os princípios éticos do radioamadorismo?

© 2012, DXBrasil. Alguns direitos reservados. Licença Creative Commons

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Luc, PY8AZT

Eu sou o Luc, PY8AZT. Ingressei no radioamadorismo em 1992. Sempre me dediquei ao DXismo e competições de rádio. Nasci em Castanhal, Pará, porém vivo em Fortaleza, Ceará desde 2006, onde opero como PT7AG. Durante os campeonatos de radioamadorismo participo do time de operadores da estação de contest PW7T do Fortaleza DX Group. Há 6 anos, dedico parte do meu tempo ao Portal DXBrasil, contribuindo com informações, notícias e artigos de interesse da comunidade radioamadorística de língua portuguesa. Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo...

6 Comments

  1. Embora eu tenha trabalhado a expedição em 7 bandas, das quais 5 foram novas e muito importantes para o Challenge, eu gostaria de ver essa operação anulada; ao meu ver qualquer discriminação é hedionda e deve ser fortemente desestimulada.

    73 Cesar – PY2YP

    • Cesar,

      Isso tem acontecido repetidamente, especialmente em países nos quais a democracia ainda é um sonho. Cabe aos DXistas serem mais vocais contra a aprovação pelo DXCC de certas operações que simplesmente fecham os olhos para o espírito radioamadorístico.

  2. Como autor do artigo acima, gostaria de esclarecer um ponto chave:

    Se licença concedida pelas autoridades do Yemen claramente proíbe contatos com “4Xland”, então os operadores devem obedecer as condições da licença e realmente não realizar qualquer contato com 4X/4Z. Até aí, nada está incoerente, afinal eles aceitaram os termos para operar. Os operadores estão seguindo a legislação do país no qual estão operando.

    Porém, minha queixa é a respeito do DXCC Desk – órgão que decide qual operação contará ou não para crédito no programa DXCC. A ARRL não deveria aprovar qualquer operação que tenha obtido licença mediante condições que violam os princípios radioamadorísticos. Ao aprovar esta operação como válida para o DXCC, também está dizendo que a discriminação entre povos, raças e religião é legítima em nosso hobby.

  3. Nos quinze dias de 7O6T Li alguns comentários na rede de clusters sobre o assunto, algumas estações comentavam que era uma questão política. E de fato foi. Apesar da informação de que Israel não tem países banidos. Os outros países tem o Estado de Israel banido. Países Árabes/Mulçumanos , oficialmente não permitem que seus radioamadores mantenham QSO com estações de Israel. Salvo aqueles que Israel mantém acordo de paz.
    No caso do Iêmen com relação ao Estado de Israel a coisa se complica, não existe a mínima possíbilidade até o presente de qualquer relação entre ambos. A lei Israelense define o Iêmen como nação inimiga.
    Claro que a situação politica desses dois “países” é lamentável, entretanto acho que a comunidade internacional de Radioamadores não pode arcar com o problema politico existente entre eles. Assim, nesta ótica, não vejo em que ponto os princípios radioamdorísticos foram violados. Não podemos levar o principios radiomadorísticos para o lado subjetivo. Forte 73

Deixe uma resposta